Get Adobe Flash player

Brasil

(Foto: Clemilson Campos/JC Imagem)

(Foto: Clemilson Campos/JC Imagem)

Uma pesquisa sobre intenção de votos para presidente feita pelo instituto Ibope e divulgada nesta quinta-feira (18) pelo site do jornal O Estado de S.Paulo mostra que a presidente Dilma Rousseff (PT) lidera a disputa com 30% das intenções, contra a ex-ministra Marina Silva (sem partido) – 22% -, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) – 13% – e o governador Eduardo Campos (PSB-PE) – 5%. Entretanto, no mesmo cenário, o ex-presidente Lula tem onze pontos percentuais a mais do que a correligionária: 41%
Em um segundo cenário, acrescentando o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, na disputa, Dilma teria 29% dos votos. O magistrado ficaria com 6%, um ponto percentual a mais do que o socialista. Já Lula, chegaria a 39%.
A sondagem foi realizada entre os dias 11 e 14 deste mês, com 2.002 pessoas com idade a partir de 16 anos, em 140 municípios brasileiros. A margem de erro máxima é de 2 pontos porcentuais, para mais ou para menos.

Fonte: Por Gabriela López, do Blog de Jamildo.

BRASÍLIA – Um ano depois de suspender as vendas de novas linhas de celular e internet móvel durante 11 dias para forçar as operadoras de telefonia a melhorar a qualidade de seus serviços, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) quer, agora, exigir a criação de um sistema de cancelamento automático dos contratos, sem a necessidade de falar com um atendente.

De acordo com o presidente do órgão, João Rezende, a agência pretende aprovar um novo regulamento de cobrança e atendimento em até 30 dias. Nos casos de portabilidade, a regra continuará a mesma. Quando o cliente quiser apenas cancelar a linha, a rescisão contratual poderá ser feita até via internet.

Com isso, os clientes vão se livrar das transferências entre setores de call center, sem precisar ouvir contrapropostas das operadoras. Em entrevista ao jornal “O Estado de S.Paulo”, Rezende afirmou que o número de reclamações caiu nos últimos 12 meses, mas reconheceu que a qualidade dos serviços e do atendimento ainda não é a ideal.

Por isso, o presidente garantiu que, além de manter a vigilância sobre a qualidade do serviço, o órgão quer atacar o problema da cobrança feita pelas operadoras, um dos principais focos de queixas dos clientes. “Achamos que as empresas ainda estão devendo ao usuário um melhor atendimento nos call centers”, avaliou. O novo regulamento em estudo daria uma maior transparência às faturas.

Fonte: Agência Estado.

(Foto: Roberto Pereira/divulgação)

(Foto: Roberto Pereira/divulgação)

A menos de três meses para o fim do prazo para que novas filiações valham nas eleições de 2014 – em setembro -, o PSB intensificará a busca de apoios à candidatura do governador Eduardo Campos (PSB-PE) a presidente. Em reunião nesta quinta-feira (18), no Recife (PE), a bancada federal do partido recebeu passe livre para prospectar nomes que fortaleçam os palanques regionais da legenda.

De acordo com o deputado federal Gonzaga Patriota (PSB-PE), que participou do encontro, o governador não se colocou como candidato, mas também não desautorizou os parlamentares a fazerem as articulações. “Catucaram, catucaram e ele amarrou o bode. Disse que não é hora de falar em candidatura, disse que é hora de organizar o partido, fortalecer as bases em cada estado e município”, relatou, ao ser questionado se Eduardo se apresentou como presidenciável.

“Não adianta ele dizer que não é, porque a gente sabe que ele é. Ele nunca disse a ninguém que não é. Só em ele não dizer que não é, a gente sabe que é”, brincou. Participaram da reunião, de portas fechadas, durante mais de três horas, 16 dos 26 deputados socialistas e três senadores (ao todo, são quatro).

O governador terá agendas mensais com a bancada federal, em Brasília. Socialistas negaram que Eduardo Campos foi pressionado para oficializar sua candidatura, mas deixaram claro que os correligionários querem a postulação. “Qualquer decisão em relação à formalização (da candidatura) só se dará em 2014, mas há uma vontade. Temos condições de ter uma candidatura à Presidência da República e o partido está unido em torno disso”, disse o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF).

Fonte: Por Gabriela López, do Blog de Jamildo.

Avaliação da presidente e do seu governo caíram. (Foto: Wilson Dias/ABr)

Avaliação da presidente e do seu governo caíram. (Foto: Wilson Dias/ABr)

A pesquisa do Instituto MDA, encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgada nesta terça-feira (16), constatou o que todo mundo esperava. A popularidade do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) despencou de 54,2% para 31,3%. O levantamento anterior foi feito no começo de junho, antes dos manifestos que tomaram as ruas do Brasil.

A mesma pesquisa divulgada nesta terça-feira também constatou que a avaliação negativa cresceu de 9% na pesquisa anterior para 29,5%, segundo dados do jornal O Globo. A aprovação pessoal da presidente também caiu, passando de 73,7% para 49,3%. A desaprovação sobre a presidente aumentou, de 20,4% para 47,3%.

Fonte: Por Maurício Júnior, do Blog da  Folha.

Governador foi lembrado nas duas pesquisas. (Foto:Hesíodo Goes)

Governador foi lembrado nas duas pesquisas. (Foto:Hesíodo Goes)

A mesma pesquisa que identificou uma queda na popularidade da presidente Dilma Rousseff (PT) – do Instituto MDA, encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgada nesta terça-feira (16) – também projetou o cenário eleitoral para a corrida presidencial em 2014.

Segundo o levantamento, publicado pelo jornal O Globo, a presidente Dilma, em levantamento espontâneo, aparece em primeiro com 14,8% das intenções de voto. O ex-presidente Lula aparece em segundo, com 10,5%, Marina Silva (Rede) teria 5,9% dos votos e Aécio Neves (PSDB-MG) 4,9%. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB) ficaria com 1,4%, o ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) teria 1,2% e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, aparece com 0,7% das intenções de voto.

Na estimulada, Dilma teria 33,4% dos votos, seguida por Marina Silva (20,7%), Aécio (15,2%) e Eduardo Campos (7,4%). Brancos e nulos são 17,9% e 5,4% não responderam. Para o segundo turno, Dilma ganha em todos os cenários em que é listada.

Fonte: Por Maurício Júnior, do Blog da Folha.

Publicidade
Encontre-nos no Facebook