Get Adobe Flash player

Mundo

Os Estados Unidos podem entrar em guerra com a Coréia do Norte, talvez ainda este ano, caso o país asiático insista em avançar com seu programa de armas nucleares, assinalou o ex-secretário de Defesa do ex-presidente democrata Bill Clinton, William Perry. A afirmação foi feita durante uma entrevista publicada nesta terça-feira no jornal americano Washington Post.

O principal tema de preocupação de Perry, um reconhecido especialista nos círculos de segurança nacional e em assuntos coreanos, é o fato de que a Coréia do Norte parece ter começado a reprocessar barras de combustível usadas.

“Há vários meses venho pensando que se os norte-coreanos se lançam no reprocessamento, então estamos a caminho da guerra’’, afirmou.

“Acho que estamos perdendo o controle da situação’’, disse, adiantando que acredita que Pyongyang logo começará a fazer testes com ogivas nucleares e que esses artefatos podem ser comprados por terroristas para dirigi-los contra os Estados Unidos.

Continue lendo

Preocupação: Michel Temer luta para ganhar tempo.

A revista britânica “The Economist” publicou, no último dia 25 um editorial e uma reportagem sobre a posição difícil de Michel Temer na Presidência do Brasil.

No editorial, a publicação afirma que “não é claro se Temer cometeu algum crime” e que “é cedo demais para pedir a renúncia do presidente”. O texto diz ainda que as acusações contra Temer são ruins para o país porque atrapalham “reformas econômicas vitais” promovidas pelo governo.

Intitulada “O destino do presidente do Brasil está na balança”, a reportagem fala sobre a gravação de conversa entre Temer e Joesley Batista, da JBS, e as consequência políticas e econômicas da revelação.

Continue lendo

Fervor missionário: Pastor Roberto, ao centro, ao lado dos missionários Altair Germano e Robson Lucena, no Templo Sede.

Fervor missionário: Pastor Roberto, ao centro, ao lado dos
missionários Altair Germano e Robson Lucena, no Templo Sede.

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus do Ministério de Abreu e Lima, que é presidida pelo pastor Roberto José dos Santos, é reconhecida nacionalmente como uma das igrejas pioneiras em enviar missionários ao exterior, para pregarem as Boas Novas do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Hoje, a AD de Abreu e Lima tem missionários na América do Sul, na América Central, na África e no Oriente Médio, em Israel.

Para comemorar a data, foram realizados trabalhos e estudos missionários entre os dias 07 e 13 de setembro, no  templo sede da AD de Abreu e Lima. O tema abordado foi “Sob tua Palavra Lançaremos a Rede”, vieram caravanas de vários municípios do Estado, para participarem da comemoração dos 41 anos de missões. No encerramento das festividades, o pastor presidente anunciou o envio de duas famílias de missionários: o pastor Altair Germano vai fazer missão no continente europeu, na Itália. Enquanto o pastor Robson Lucena, vai ser missionário na América do Norte, nos Estados Unidos.

Continue lendo

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que encara o Brasil como um líder mundial, não apenas regional, e que as negociações globais sobre questões relevantes como economia, clima e combate ao terrorismo só podem ser bem-sucedidas se houver a participação brasileira. Ao fazer um pronunciamento à imprensa ao lado da presidenta Dilma Rousseff, Obama afirmou que possui “plena confiança” e que tem tido um “excelente relacionamento” desde que ela tomou posse.

Após anunciarem o acordo bilateral entre Estados Unidos e Brasil em que se comprometem com maior participação de fontes renováveis em suas matrizes energéticas, os dois presidentes respondiam a perguntas de jornalistas, quando a questão foi dirigida à presidenta. A dúvida era como conciliar as visões de que o Brasil se vê como líder mundial, enquanto os EUA veem o país como um cenário regional. Na sua vez de responder, Obama fez questão de mencionar o assunto, dizendo que o Brasil é uma “potência mundial importante”.

Continue lendo

Entre as duas melhores equipes da competição, o Beira Rio acabou levando a melhor.

Entre as duas melhores equipes da competição, o Beira Rio acabou levando a melhor.

Beira Rio vence Banerge e é campeão abreulimense
O Beira Rio F.C. bateu o Banerge F. C., de Caetés Velho, por 1 a 0, e sagrou-se campeão abreulimense de futebol sub-17 de 2015. A partida decisiva ocorreu no dia 24 de maio, às 15h, no Campo do Beira Rio, no bairro de Caetés III.

O campeonato, que começou no dia 8 de março, foi realizado e patrocinado pela Prefeitura local, através da Secretaria de Esportes e Lazer. De acordo com a maioria dos treinadores, jogadores e torcedores, a competição foi uma das mais disputadas dos últimos anos em Abreu e Lima. “A Secretaria de Esportes está de parabéns!”, afirmou Josenildo Batista, treinador do Banerge.

Continue lendo

Dois Irmãos é um dos principais pontos de Noronha.

A Baía do Sancho, em Fernando de Noronha, foi eleita como a melhor praia do mundo, pelo segundo ano consecutivo, segundo o Travellers’ Choice 2015 – prêmio realizado por um dos maiores sites de viagem do mundo: o Trip Advisor. A pesquisa considera as melhores avaliações dos usuários que visitaram praias, brasileiras e estrangeiras, nos últimos 12 meses.

Fernando de Noronha é o destino mais desejado pelos brasileiros, segundo estudo do Ministério do Turismo de 2012. O Arquipélago é um santuário ecológico, com vida marinha exuberante e praias cristalinas para a prática de mergulho e surfe. O Morro Dois irmãos, no Mirante de mesmo nome, é um dos principais pontos de contemplação de suas belezas naturais. Há também atrativos culturais como as ruínas do Forte São Pedro do Boldró e a Fortaleza Nossa Senhora dos Remédios. Pernambuco está entre os estados do Nordeste que mais receberam turistas no ano passado, cerca de 3 milhões, segundo secretaria de turismo estadual.

Continue lendo

Ver imagem no TwitterA mais recente atualização do WhatsApp promete ser uma das melhorias mais aguardadas – ou temidas – por parte dos usuários. Agora, o aplicativo permite saber se a mensagem foi visualizada pelo destinatário por meio de “tiques” com cor azul. A distribuição do update ainda não é válida para todos, sendo liberada aos poucos para os usuários.

A atualização, válida para todas as plataformas em que o aplicativo está disponível, terá agora diferentes indicativos na troca de mensagens. Em caso de um tique, significa que a mensagem saiu com sucesso do celular; já dois tiques, indica que o texto, imagem ou áudio chegou ao destinatário; já os dois tiques em cor azul informam que o receptor já viu a mensagem. Ou pelo menos abriu a conversa.

Fonte: Do Folha PE, com informações de agências.

O novo Windows 9, nova versão do sistema operacional da Microsoft, será gratuito para usuários do Windows 8.

A afirmação veio do presidente da Microsoft na Indonésia, Andreas Diantoro, nesta segunda (29). Ele deu uma entrevista ao site local Detik e confirmou a hipótese levantada por outras fontes do mercado de tecnologia.

Ele disse ainda que a atualização poderá ser feita por download, como já acontece com as plataformas móveis do sistema. Essa estratégia seria uma tentativa da Microsoft de forçar os usuários a migrarem para versões mais modernas de seu sistema. Ainda há a possibilidade do W9 ter um desconto “considerável” para usuários de sistema mais velhos que o Windows 8.

Por causa da reação negativa do Windows 8, muitos usuários resistem a abandonar sistemas como Windows 7, Vista ou mesmo o XP.

O Windows 9 será apresentado ao público no dia 30 de setembro.

Fonte: Por Paulo Floro, do Mundo Bit.

O título mundial conquistado pela Alemanha, no Maracanã, sobre a Argentina, por 1 a 0, no dia 13 de julho passado, foi mais que merecido. Além de haver sido a seleção de melhor desempenho entre todas da Copa do Mundo, no Brasil, a equipe do técnico Joachim Löw foi também a que melhor se preparou para a competição. E, sem ressentimentos, diria que não seria nenhuma vergonha para o Brasil perder para os alemães. Aliás, já havíamos perdido para eles, no dia 10 de agosto de 2011, em Stuttgart, na Alemanha, por 3 a 2. Na época o treinador brasileiro era Mano Menezes. O problema, porém, foi o placar tão elástico (7 a 1), que se transformou no maior vexame da nossa seleção na história das copas.

Mas, apesar da tragédia, a verdade é que, quando vi as imagens da seleção alemã, no dia 15 de julho, desfilando em carro aberto do aeroporto rumo ao Portão de Brandemburgo, no centro de Berlim, sendo recebida por uma multidão de cerca de 500 mil pessoas, lembrei-me da passagem por Pernambuco da Seleção Brasileira, campeão da Copa de 1994, nos Estados Unidos, sobre a poderosa Itália de Roberto Baggio. Era uma terça-feira, 19 de julho. Segundo a Polícia Militar, cerca de 1, 5 milhão de pessoas foram ao Recife para acompanhar a visita histórica. Eu estava lá. Vi as ruas de Boa Viagem tomadas por uma nuvem de torcedores ansiosos para ver, nem que fosse só de relance, os então tetracampeões do mundo, que desfilando em carro aberto, acenavam para uma multidão extasiada. As imagens surpreendentes correram o mundo, mostrando não apenas a força do futebol brasileiro, mas também a paixão de toda uma nação em torno da modalidade esportiva mais popular do país. E tem mais um detalhe: Ainda tínhamos o melhor futebol do planeta.

VEXAME
A derrota da seleção brasileira para a Alemanha, nas semifinais da Copa do Mundo, no dia 8 de julho, no Mineirão, pelo placar de 7 a 1, foi a pior na história do nosso país em copas do mundo. Foi, sem dúvida, um vexame sem precedentes. No entanto, para muita gente, o resultado já era previsível, apesar de ninguém, nem mesmo os alemães, ter imaginado que ela pudesse vir por um placar tão elástico. Polêmicas à parte, a verdade é que a seleção alemã foi, de longe, a que mais se preparou para a competição, apresentando um futebol bonito, eficiente e bastante convincente. Ver a Alemanha jogar, hoje, nos remete ao Brasil de tempos passados, que, não somente sabia jogar bola, mas dava show nos gramados. Que saudade daqueles tempos! Será que foram eles que aprenderam conosco, ou fomos nós que desaprendemos com eles?

COMPLEXO DE SUPERIORIDADE
A goleada sofrida pelo Brasil para a Alemanha, apesar de dolorida, precisa ser encarada como uma tragédia anunciada, pois todos sabem que não é de hoje que a Seleção Brasileira vem dando sinais de fraqueza. Já passamos vexame diante de equipes como Paraguai, México, Suíça, entre outras, que, até poucos anos, eram “freguesas” da nossa Amarelinha. Episódios dessa natureza mostram que o futebol nacional parece ter parado no tempo, embora muitos cartolas e treinadores brasileiros, ainda presos a práticas retrógradas, se recusem a aceitar tal realidade. Luiz Felipe Scolari, por exemplo, é um deles. Com sua postura truculenta, e sua teimosia doentia, ele achava que detalhes banais como superstição e retrospecto seriam fatores importantes para fazer um campeão. Errou feio! Acreditou, ainda, que o fato de haver conquistado a Copa da Coreia e do Japão em 2002, sobre a própria Alemanha, o habilitaria a papar o título do mundial. Quanta prepotência! Ora, em 2002, apesar de enfrentar a descrença de grande parte dos torcedores brasileiros na seleção, ele tinha um elenco bastante experiente, com nomes de peso, como Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, entre outros, ao contrário de agora, quando contava com uma equipe mais modesta, considerada “meia boca”, por alguns comentaristas esportivos. Além disso, aliada à escassez de talentos, Felipão também teve que engolir algo bem indigesta: o fato de que o mundo inteiro tem estudado o nosso modo de jogar, copiando nossas virtudes e investindo, competentemente, contra nossas fraquezas.

Hoje, não há mais os chamados “patos mortos” no mundo da bola. Portanto, chega de pensar que o futebol da atualidade seja comparável ao da época de Garrincha, por exemplo, quando a inocência de muitos adversários era tão grande que, num simples gingar de corpo, correndo sem a bola, o “Anjo das Pernas Tortas” seduzia o seu marcador a acompanha-lo, sem perceber que a pelota havia ficado para trás. Era um tempo “romântico”, de uma inocência cômica. Hoje a coisa é diferente. O amadorismo não tem mais vez no futebol. E, por não atentarmos para isso, padecemos. E, como consequência, o resultado a se esperar não poderia ser diferente do que acabamos de ver na Copa do Mundo. Por tudo isso, é bom que a lição tenha sido bem aprendida, para que erros como os cometidos na Copa do Mundo do Brasil voltem a ocorrer no futuro.

RETROCESSO
A CBF anunciou, no dia 22 de julho passado, o nome de Carlos Caetano Bledorn Verri (o Dunga), como o novo técnico da seleção brasileira. O anúncio pegou de surpresa não somente torcedores, mas também setores da imprensa, que esperavam uma mudança radical no comando da Canarinha. O fato é que, depois da derrota vexatória para a Alemanha na Copa do Mundo, esperava-se que o futebol brasileiro pudesse, de fato, passar por uma renovação. No entanto, a resposta dada pela CBF mostra que tudo deve continuar como antes: Trocam-se seis por meia dúzia.

A entidade máxima do nosso futebol quer vender a ideia de que Dunga foi um treinador vencedor. Mas a história mostra o contrário. Por sua passagem pela seleção, não há nada que comprove isso. Treinando a seleção, ele ganhou apenas uma Copa América, na Venezuela, em 2007, e uma Copa das Confederações, na África do Sul, em 2009. Parece muito, mas o fato é que, sob seu comando, o Brasil perdeu a Olimpíada de Pequim, na China, em 2008, de forma humilhante, para a Argentina, e a Copa da África, em 2010, sendo eliminado pela Holanda, nas quartas de final. Aliás, ele havia sido contratado para ganhar, prioritariamente, essas duas competições.

Não se pode negar que Dunga, apesar de não ter sido nenhum craque, foi um jogador bastante “raçudo” nos clubes pelos quais atuou, inclusive pela própria Seleção Brasileira, quando ajudou a Canarinha a conquistar a Copa do Japão e da Coréia, em 2002, por exemplo. No entanto, como treinador, ele ostenta um currículo, de fraco a mediano. E, a nosso ver, fazendo coro com a maioria dos brasileiros, defendemos que sua indicação representa um retrocesso, um remendo velho numa roupa nova. E a questão é simples: Dunga é um treinador ranzinza, teimoso e de competência bastante discutível. Na sua última passagem pela seleção, ele passou mais tempo brigando com a imprensa e preocupado com seu figurino do que com técnica e tática. Há no país nomes mais fortes do que o dele, como Muricy Ramalho, do São Paulo, Tite, ex-Corinthians e Marcelo Oliveira, do Cruzeiro, entre outros, que estariam à altura do cargo, sem sombra de dúvida.

LIÇÃO
O projeto campeão iniciado pela Alemanha tem tudo para perdurar por muito tempo. A prova disso é que penas 18 dias depois de faturar o tetra da Copa do Mundo no Brasil, os alemães já conquistaram mais um título. Trata-se do Europeu sub-19, conquistado, na Hungria, sobre Portugal, pelo placar de 1 a 0, no dia 31 de julho. Como se vê, já começa a surgir uma nova geração, que deverá, em alguns anos, substituir o grupo que integra a seleção principal. Isso é o que se pode chamar de planejamento a curto, médio e longo prazo!

Por Josué Batista, josuebsouza@gmail.com

Publicidade
Encontre-nos no Facebook