Pernambuco Política

João Lyra assume sua insatisfação

Resiliente, o vice-governador João Lyra Neto (PSB), para surpresas de muitos correligionários e aliados, participou, ontem, da cerimônia de lançamento do candidato à sucessão estadual pela Frente Popular, o secretário estadual da Fazenda, Paulo Câmara (PSB), em um hotel da Zona Sul do Recife. E, apesar de tentar evitar a Imprensa, admitiu a insatisfação ao ser preterido. “É natural do processo”, consentiu Lyra Neto, após o evento. No último fim de semana, enquanto os correligionários estavam em movimentação pró-Câmara nas prévias carnavalescas, o socialista ficou recluso junto à família.

Apesar de ser especulada a possibilidade do vice-governador não assumir o Governo Estadual a partir de 5 de abril, quando o governador e pré-candidato à Presidência da República, Eduardo Campos (PSB), se desincompatibilizará do cargo, Lyra Neto, que sentou à mesa no evento ao lado de Câmara, afirmou que pretende dar continuidade ao que está sendo feito pelo correligionário na administração estadual. “(A expectativa é) concluir as obras que foram iniciadas, com mandato o exitoso de sete anos e três meses de muita eficiência, muito progresso e muita ação por Pernambuco, e vamos concluir com certeza esse que deverá ser o maior mandato da nossa história”, disse ele.

Contudo, o vice-governador chegou à cerimônia em cima da hora e, ao término, saiu às pressas, junto com a sua filha, a deputada estadual Raquel Lyra (PSB), e assessores. Em nenhum momento ficou a sós com Eduardo Campos. As declarações do caruaruense assumem o discurso oficial, tentando dirimir qualquer mal-estar, mas as suas atitudes entregam o incomodo.

João Lyra Neto trocou o PDT pelo PSB, em outubro do ano passado, visando à candidatura ao Governo de Pernambuco. Não se antecipou ou puxou para si o holofote, portando-se conforme os passos ditados por Campos. No entanto, nunca teve uma sinalização concreta a respeito da postulação, embora continuasse alimentando essa esperança.

Comenta-se, internamente, que o incomodo do caruaruense vem de anos atrás, ainda na disputa pela reeleição de Campos ao Governo Estadual, em 2010, quando Lyra passou meses sendo fritado nos bastidores. Sua presença na chapa foi muitas vezes questionada. Diante deste episódio e do rito comum ao que ocorre com os vices que assumem interinamente o Governo e, na sequência, se lançam candidatos, ele não teria se sentido respeitado.

Fonte: Por Marcelo Montanini, da Folha de Pernambuco.

]]>

SEJA UM ASSINANTE
Como assinante, sempre que houver uma nova postagem, você será o primeiro a receber o conteúdo, com exclusividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.