Brasil Destaque Meio Ambiente Pernambuco

Navio grego suspeito no caso das manchas no Nordeste carregou 1 milhão de barris de petróleo da Venezuela

Por Elida Oliveira, G1

O petroleiro grego suspeito de derramar o óleo que causou o maior desastre ambiental já registrado na costa brasileira se chama Bouboulina, de acordo com a Polícia Federal (PF). Ele foi carregado com 1 milhão de barris do petróleo tipo Merey 16 cru no Porto de José, na Venezuela, no dia 15 de julho. Zarpou no dia 18 com destino à Malásia.

A cada 10 locais atingidos, 3 voltaram a apresentar manchas após limpeza no Nordeste.

A embarcação é alvo da Operação Mácula, desencadeada pela PF nesta sexta-feira (1º). Ela foi apontada como suspeita com base em um relatório produzido pela empresa HEX Tecnologias Especiais, que afirma ter realizado a análise de dados de satélite para localizar as manchas e feito um cruzamento com softwares de monitoramento de navios para chegar ao resultado que aponta o navio grego como suspeito.

O apontamento deste navio suspeito vai contra duas tendências anteriormente apontadas pela Marinha e Ibama nas investigações. A primeira é que a mancha teria sido localizada com imagens de satélite, enquanto o Ibama já tinha descartado essa possibilidade em estudos próprios, de agências espaciais e de universidades. O segundo é em relação à data da passagem do navio pela costa e o fato de ele não estar operando como um “navio-fantasma” (veja abaixo a cronologia da investigação).

Depois de sair da Venezuela e trafegar sempre com seu sistema de localização ativo, o navio Bouboulina passou a oeste da Paraíba em 28 de julho. As investigações do governo brasileiro apontam que a primeira mancha no oceano foi registrada em 29 de julho, a 733 km da costa da Paraíba. As primeiras praias do país afetadas foram no município paraibano de Conde em 30 de agosto.

De acordo com os investigadores, 2,5 mil toneladas de óleo foram derramadas no oceano. A proprietária do navio é a Delta Tankers, fundada em 2006, mesmo ano de fabricação do navio. O G1 entrou em contato com a empresa e aguarda um posicionamento. À Reuters, a Delta disse que não foi procurada por autoridades do Brasil.

“Nós temos a prova da materialidade e indícios suficientes de autoria. O que nos falta são as circunstâncias desse crime, se é doloso, se é culposo, se foi um descarte ou vazamento” – Agostinho Cascardo, delegado da PF no Rio Grande do Norte.

De acordo com o delegado Agostinho Cascardo, a Marinha do Brasil apurou que, em abril, o navio grego ficou retido nos Estados Unidos durante 4 dias por causa de problemas no filtro de descarte da embarcação.

O petroleiro é do tipo Suezmax, e sua capacidade máxima é 1,1 milhão de barris. Considerando o valor atual de mercado do petróleo, o carregamento vale cerca de US$ 66 milhões. As 2,5 mil toneladas que vazaram na costa brasileira equivalem a quase três milhões de litros. Isso representa 1,8% da carga transportada pelo navio.

Rota do navio
Depois de sair do Porto de José, em 18 de julho, o petroleiro Bouboulina chegou à Cidade do Cabo, na costa da África do Sul, em 9 de agosto. Ele navegou pela costa por menos de um dia, depois continuou a jornada em direção ao estreito de Malaca, na Malásia.

Em 3 de setembro, chegou à costa da Malásia. Durante todo este trajeto, o petroleiro estava com “Automatic Identification System” (AIS) ligado.

Entre 3 e 13 de setembro, o navio Bouboulina transferiu a carga para outra embarcação, no sistema “ship-to-ship”, com o AIS desligado. A Kpler informou que a embarcação que recebeu a carga é desconhecida.

Depois, o Bouboulina partiu rumo à Nigéria, para atracar no terminal Qua Iboe, e carregou novamente no dia 20 de outubro, e agora navega rumo à Balikpapan, na Indonésia.

As informações sobre os detalhes do navio, sua carga e trajetória foram também fornecidos pela agência de geointeligência Kpler, a pedido do G1.

Fonte: G1.

Receba conteúdo exclusivo, sendo um assinante.

[mc4wp_form id=”8843″]

SEJA UM ASSINANTE
Como assinante, sempre que houver uma nova postagem, você será o primeiro a receber o conteúdo, com exclusividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.