Brasil Política

O Brasil está cada vez mais “Partido”

Rejeição partidária: Nena Cabral mostra dados estatísticos que comprovam a insatisfação. Rejeição partidária: Nena Cabral mostra dados estatísticos que comprovam a insatisfação.[/caption]

Você sabia que a pesquisa Datafolha também trouxe o aumento da rejeição aos partidos políticos de uma maneira geral e não só ao PT? Pois fique sabendo que a aversão da população é linear e contra todos.

Nos últimos três meses e meio, saltou de 61% para 71% a quantidade de brasileiros que declaram não ter um partido político de sua preferência. É o pior resultado desde que o instituto passou a produzir esse indicador, há 26 anos.

Como não consegue elevar a estatura dos seus representantes pelo voto, o brasileiro rebaixa lhes dramaticamente o pé-direito.

Mesmo assim, a democracia é o regime mais adequado para produzir justiça social e os partidos políticos o caminho correto para quem pretende chegar ao poder. Não se pode tirar o todo pela prática dos caciques, há sim gente de bem em todas as agremiações, na política.

O problema é que no Brasil partido tem dono, tem cacique e virou um negócio muito lucrativo para muitas famílias. Aqui mesmo em Paulista a maioria dos partidos pertence a um sobrenome e quando chegam ao poder logo nomeiam os parentes nos principais cargos.

É dessa prática e de outras que o brasileiro quer cada vez mais distância da política e dos políticos e isso só mesmo a reforma política para mudar. Ser criticado por adversários faz parte do jogo político e muitos sabem transformar tudo isso no apoio popular. Mas o que fazer quando a critica é expressa não por um adversário com nome e sobrenome, mas por uma massa composta por homens e mulheres de camadas sociais distintas?

O enfrentamento de tal quadro de dificuldades por parte de um governo bem visto pelos seus governados não é tarefa simples. A mesma situação sendo administrada por um “desonesto” é receita certa do fracasso.

Nunca tivemos uma safra tão ruim de gestores públicos, a maioria é desonesto, inculto, e adoram se envolver em escândalos. Infelizmente nosso eleitor ainda não aprendeu a votar, votam em troca de algo, e depois sofrem as consequências.

Aprender a votar é apenas uma das questões. Existem várias forças que regem a democracia: a) poder do capital financeiro; b) poder da religião; c) poder do saber; d) poder da educação em geral; e) poder da força militar; f) poder da mídia; g) poder da tradição; h) poder dos costumes; i) poder das classes sociais. Enfim, existem muitos poderes, ora em maior, ora em menor grau, que influenciam no crescimento de uma nação e de como ela poderá interagir com o seu povo; portanto, o voto consciente do povo, pode parecer para alguns errados, mas para outros certo. Eu acredito que o povo brasileiro, sempre escolhe o melhor, pois tudo depende dos candidatos existentes no pleito. Se irá existir bons candidatos, somente o voto do povo nos dirá. Pois o conflito de classe sociais sempre existirá.

O VOTO É SINGULAR MAIS AS CONSEQUÊNCIAS SÃO NO PLURAL.

]]>

SEJA UM ASSINANTE
Como assinante, sempre que houver uma nova postagem, você será o primeiro a receber o conteúdo, com exclusividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.