Destaque Educação & Tecnologia

Smartphones e tablets são os AIO das crianças e jovens da vida moderna?

Por Washington Tavares

Considerando que os aparelhos celulares ou smartphones passam mais tempo com os nossos filhos do que nós mesmos, cabe a pergunta, eles são os novos educadores ou desenvolvem uma tarefa semelhante aos AIO (παιδαγωγός, paida-gogós, preceptor, mestre, guia) das antigas sociedades greco-latinas?

Quem nunca passou pelo susto de perceber um filho acordado altas horas teclando com amigos? Quem nunca viu um filho acordar cedo para jogar um play no celular? Bem, quase todos já passamos ou vamos passar por sustos parecidos.

Atualmente, 93% da população brasileira utiliza smartphones em sua vida diária, e isso atinge crianças, adolescentes e jovens de todas as camadas sociais, uma vez que eles representam 27,9% do total de brasileiros, segundo dados do IBGE 2016. É muita criança teclando, e por vezes, sem nenhum tipo de orientação dos pais.

Ainda são muito recentes as pesquisas dos efeitos e mudanças sociais causados pela influência de celulares na vida das crianças e adolescentes aqui no Brasil, principalmente nos efeitos sobre a educação. Uma coisa é certa, o caminho é sem volta, já que muitos pais fizeram dos aparelhos verdadeiras babás virtuais ou deram a estes aparelhos poderes semelhantes aos AIO greco-romanos.

Mas quem realmente instrui seu filho ou filha? Quem é o responsável pela educação deles?

AIO era o servo de alta confiança da elite greco-romana, que tinha por função, proteger, corrigir, conduzir o filho de seu senhor à escola, e principalmente cuidar da sua educação e sua moral até que a criança chegasse à maioridade. AIO era uma espécie de tutor, tanto que a tradução literal da palavra significa “aquele que conduz uma criança”.

Muitos pais estão transformando, na área da educação de seus filhos, os aparelhos celulares em potentes AIO da modernidade. Mas até que ponto isso realmente tem funcionado? O celular pode realmente se tornar um grande aliado na educação de uma criança?

Pesquisas médica aconselham que uma criança na primeira infância (de 0 aos 6 anos) deve passar apenas duas horas diárias com os olhinhos vidrados na telinha dos jogos e vídeos. Um tempo superior poderá comprometer o desenvolvimento cognitivo, segundos pesquisadores e especialistas. Nesse caso, é razoável que os pais de fato controlem o tempo diário que os filhos têm com direito ao uso dos seus celulares ou tablets.

O problema é que esse tempo não é controlado por muitos adultos, pois os pais adoram quando os filhos estão quietos e atentos ao celular, enquanto os pais desenvolvem outras atividades ou também usam seus aparelhos sem serem “importunados” pelos filhos.

No caso do sucesso educacional dos filhos, os pais precisam não somente controlar o tempo de diversão dos filhos com os celulares, mas também o controle do conteúdo passa a ter suma importância. Uma coisa é fato, dificilmente os filhos procurarão conteúdos escolares com os celulares cheios de outras coisas curiosas para fazer. Daí, a aproximação dos pais com os filhos nesses momentos é imprescindível. É aproveitar o momento para jogar algum play com seu filho, ou assistir algum vídeo divertido com ele, e aos poucos ir explorando jogos educativos, vídeos com boas histórias, e mostrando que é possível encontrar o assunto da prova numa consulta rápida com o próprio celular em mãos.

Pais inteligentes sabem que não é retirando o celular das crianças que elas ficarão melhores. Outra vez aceitamos a verdade que a vida moderna incluiu tais aparelhos como socialização humana desde a criação das redes sociais. Por incrível que pareça, após os celulares e as redes sociais, as pessoas passaram a ler mais, escrever mais, e discutir mais assuntos sobe os quais eram ignorantes. Tudo isso significa aprendizado, e isso tem tudo a ver com educação, inclusive de crianças e jovens. Novamente o desafio é o tempo de diversão e estudo, do controle de conteúdos, e da transformação do celular como aliado do processo de aprendizagem de seus filhos.

Terminamos essa reportagem reforçando alguns conselhos. Procure escolas que estimulem a autonomia e a aprendizagem por meio de tecnologias, pois essas serão as escolas que sobreviverão à educação do futuro. Passe um tempo de qualidade se divertindo e estudando com seu filho por meio das atuais tecnologias. Ensine seus filhos a pesquisarem conteúdos das escolas nos celulares até fazerem isso de forma independente, você vai se surpreender com vídeos e aplicativos maravilhosos sobre educação. Tem muita coisa a favor da educação, mas é preciso garimpar e perseverar nessa busca.

Por último, decida quem é o AIO de seus filhos. Queremos afirmar que você é o maior mentor e condutor dessa educação, portanto, assuma de vez essa posição, e apenas utilize os aparelhos celulares como auxiliares do caminho educacional que você já traçou para suas crianças. Você é o AIO, os celulares são os auxiliares atentos ao seu comando e direção.

Até a próxima com mais educação e tecnologia.

Quer saber como são os pilares da educação da China e como está se transformando na segunda maior potência intelectual?: Clique aqui.

Quer receber mais notícias e artigos sobre diversos temas?: Clique abaixo e siga a nossa página no Facebook!

Foto: depositophotos

SEJA UM ASSINANTE
Como assinante, sempre que houver uma nova postagem, você será o primeiro a receber o conteúdo, com exclusividade.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.