Economia Pernambuco Recife Transporte

Via Mangue muda paisagem da Zona Sul

A construção da via elevada é um dos pontos que mais têm causado impacto visual. (Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press) A construção da via elevada é um dos pontos que mais têm causado impacto visual. (Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press)[/caption]

As obras da Via Mangue, apontada como saída para desafogar o trânsito em Boa Viagem, tiveram o ritmo acelerado. Nos últimos meses, a velocidade dos serviços praticamente duplicou. A média mensal construída era de 1,82% do total do projeto até dezembro do ano passado e agora é de cerca de 3,5%. O novo percentual está mudando rapidamente a paisagem no Pina e em Boa Viagem, onde o concreto avança sobre o manguezal. Em outubro, a meta é atingir a média mensal de 5%. O aumento do ritmo tem um objetivo claro. Incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Copa, os governos federal e municipal querem concluir os serviços antes do início da competição esportiva. O cronograma prevê que a Via Mangue esteja pronta em abril de 2014, quando a previsão inicial era setembro deste ano. Para alcançar a meta, o número de trabalhadores foi ampliado, chegando a 1.650, e acrescentou-se um terceiro turno. Até ontem, 65% dos serviços da via, cuja extensão será de cerca de 4,5 quilômetro, estavam concluídos. A construção da via elevada é um dos pontos que mais têm causado impacto visual. Essa parte da pista, que terá 1,9 quilômetros, está sendo erguida sob estacas de concreto. O projeto prevê que aproximadamente 1,5 mil estacas sejam fincadas dentro do manguezal. Grande parte dessas pilastras mede 18 metros de comprimento e está sendo fixada pelo equipamento Cantitravel, que dispensa fundações. “Essa técnica vai fazer com que o fluxo das águas do mangue não seja interrompido”, esclareceu o secretário municipal de Infraestrutura e Serviços Urbanos, Nilton Mota. A via elevada ficará entre 0,5 metro e 1 metro acima do espelho d’água.

[caption id="attachment_901" align="alignleft" width="620"]Complexo terá dois viadutos e oito pontes. (Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press) Complexo terá dois viadutos e oito pontes. (Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press)[/caption]

“Somente de perto dá para acreditar na dimensão e no impacto dessa obra”, disse o engenheiro José Stênio Rodrigues da Silva. Morador de Boa Viagem, ele parou alguns minutos diante do trecho da Via Mangue que está sendo construído próximo à Praça Antônio Vilaça, em Boa Viagem. Para ele, a obra terá impacto ambiental, mas, devido “à loucura que se tornou o trânsito no bairro”, se tornou necessária. Esse impacto, segundo Nilton Mota, foi reduzido ao se optar pela via elevada. O projeto inicial era aterrar o mangue para fazer a via. O relatório de impactos ambientais (Rima) da obra, ainda não revisto após essa troca, previa a supressão de 11 hectares de mangue e recomendava a prefeitura a recompor o dobro dessa área. Quando pronta, a Via Mangue possibilitará aos moradores de Boa Viagem que residem após a Avenida Antônio Falcão, e aos residentes de Setúbal, Piedade e Candeias fugir dos frequentes congestionamentos das avenidas Domingos Ferreira, Conselheiro Aguiar e Boa Viagem. A velocidade média prevista para a Via Mangue será de 60 km/h, enquanto a da Domingos Ferreira em horários pico é atualmente de apenas 20 km/h. O aumento de velocidade acontecerá porque a nova via não terá semáforos ou cruzamentos. Ao longo dos seus cerca de 4,5 quilômetros haverá apenas dois pontos de retorno, na altura da Praça Antônio Vilaça e Rua Gilson Machado Guimarães.

Fonte: Diariodepernambuco.com.br

]]>

SEJA UM ASSINANTE
Como assinante, sempre que houver uma nova postagem, você será o primeiro a receber o conteúdo, com exclusividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.