Igarassu Meio Ambiente

Baixo nível da Barragem de Botafogo impõe racionamento

Em baixa: O nível do reservatório de Botafogo está no limite mínimo de captação de água. Em baixa: O nível do reservatório de Botafogo está no limite mínimo de captação de água.[/caption]

A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) anunciou nesta quarta-feira (4) que haverá racionamento de água em localidades atendidas pela Barragem de Botafogo, localizada em Igarassu, na Região Metropolitana do Recife. O racionamento, que já está valendo, vai atingir regiões em Olinda, Igarassu, Paulista e Abreu e Lima. Atualmente, devido ao baixo índice de chuvas este ano, a barragem está operando com apenas 22,38% da sua capacidade total, de 27 milhões de m³. Os detalhes foram passados em evento na sede da entidade, na área central da capital pernambucana.

O sistema Botafogo é composto por captação na barragem e também em seis rios da região. Na barragem, a captação está indo de 520 para 200 litros por segundo. Com isso, é possível chegar até maio do próximo ano com 12% a 14% da capacidade total. “Estamos acompanhando com modelos matemáticos e eles nos apontam que, com essa captação, conseguimos chegar ao próximo inverno sem secar a barragem. De acordo com o que formos acompanhando, podemos aumentar ou diminuir o racionamento”, aponta o diretor regional Metropolitano da companhia, Rômulo de Souza.

Devido à medida, localidades que tinham água todos os dias passam a contar com um esquema de abastecimento por dois dias, além de outros dois sem água. Isso vai acontecer em todo o município de Igarassu; nos bairros de Maranguape I, Arthur Lundgren I e II e no Centro, em Paulista; e em Bairro Novo, Casa Caiada, Bultrins e Jardim Fragoso, em Olinda. O bairro de Caetés III, em Abreu e Lima, que tinha dois dias com água e dois dias sem, passa a ter um dia de água e três dias sem.

Os bairros do Janga e Maranguape II, em Paulista, Ouro Preto, em Olinda, e outras localidades de Abreu e Lima não vão ser afetados pela alteração no calendário de abastecimento. “Esses já são pontos críticos. Algumas localidades só recebem água quando a pressão está mais forte, por isso entendemos que era melhor não incluir”, detalha Souza.

Ainda segundo o diretor da Companhia, as outras barragens do Grande Recife estão em uma situação confortável. “O problema está sendo apenas em Botafogo. Temos algumas ações para tentar minimizar o desconforto. Devemos furar cinco poços artesianos  em Cruz de Rebouças [Igarassu], três em Pau Amarelo e Maria Farinha e um em Maranguape I [Paulista]”, afirma.

Os moradores das áreas afetadas pelo racionamento podem ter acesso ao calendário de abastecimento através da internet ou por meio do telefone 0800-081-0195. A população dessas regiões estava há cerca de três anos sem problemas com racionamento, desde que Pirapama começou a funcionar. A expectativa é que o abastecimento só seja normalizado quando a situação das chuvas se equilibrar. A média histórica da Barragem de Botafogo nos últimos anos, no dia 3 de dezembro, foi de 62,29% (2013), 42% (2012) e 78% (2011).

Fonte: TV GLOBO/G1.

]]>

SEJA UM ASSINANTE
Como assinante, sempre que houver uma nova postagem, você será o primeiro a receber o conteúdo, com exclusividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.